29/01/2013

 A n j o s  d o   S i l ê n c i o

Marisa Pompermaier


Uma noite a mais,
sair para dançar.
aqueles anos mágicos
coração de estudante,
olhos de luz
sorriso estampado.
Nossos Anjos de Luz

Despedir-se? Pra quê?
Bobagem - Mãe -
E lá estavam,
há algumas horas.
eram mais de duzentos...
enfileirados, descalços
e seus celulares
disparando sobre seus corpos
que  ja não ouviam mais.

Asfixiados,
pisoteados como animais
tentando se salvar
da brava selva,
levavam juntos seus sonhos
sorrisos.
Oh! que dor arde em nós,
Anjos do silêncio!

Vinham  de todos os lugares.
ambulâncias ,
médicos, bombeiros,
voluntários, psicólogos.
Familiares desesperados
e eles ali, deitados,
seus corpos frios
embebidos pela
fumaça mortal
daquele negro 
26 de janeiro de 2013.

Príncipes e Príncesas
a reinar nos Céus!


(Dedico este poema a todas as vítimas de Santa Maria, em especial aos meus queridos alunos)

13/01/2013

O   Cofre

                                                             Marisa Pompermaier


Estou à procura
de um cofre,
grande e indestrutível.
Para conservar
uma parte da 
minha  vida.

São lembranças,
emoções,
risos, lágrimas,
datas,
roupas,
móveis e utensílios
que tão bem
quero guardá-los.

Se eu pudesse
colocaria a mim
junto neste cofre,
Porém, preciso
ficar de fora
e ver a vida passar
em branco...

Já arrumei tudo
menos o cofre,
de tão especial
que é!
Pensava eu,
reviver intensamente
e não guardar,
arquivar.

Triste destino,
insano!
O melhor de mim.
Aquilo que dei
e o que recebi
resumido
num cofre
de recordações.

06/01/2013




by Marisa Pompermaier

Me vesti de festa
para comemorar
o que sou
e o que ainda
me falta.

Festa em mim
porque descobri
que estou viva
e nada impede
meu novo sorriso

Dei férias às lágrimas
Ignorei teorias
lapidei novos pensamentos
me encontrei
em mim mesma.

Já consigo 
andar sozinha
me libertei
da simbiose.
Fiz as pazes
comigo.

Voltei a ser
aquilo que eu era
antes da tempestade