29/12/2012

A  Arte  de  Escrever

                         Marisa Pompermaier


Escrevo quando 
as palavras 
saem de mim
e precisam de 
um abrigo.

Escrevo em 
qualquer lugar
seja no computador
até nas folhas
amassadas de um jornal.

Escrevo sem precisar
programar,
arte de calar,
arte de cantar
arte de silenciar.

Juntam-se letras,
entoam-se palavras...
logo sai um verso
descomprometido
se for, ou não, lido.

Escrevo na pura
essência
do gosto,
da rima,
do desejo.

Escrevo e me retrato
querendo ou não,
sou substrato
daquilo que sou
daquilo que escrevo.

    (brincadeira gostosa,
     sou eu a poeta)

Nenhum comentário:

Postar um comentário