04/11/2012


S i n g u l a r

                                                  imagem: dreamstime

                                                    marisa pompermaier


Da rosa botão
quase murcha
enfeita o chão.
Por que não?

Dos passos mansos
do olhar vazio
imagens mil
eu crio.

Criações
de toda ordem
ocupam toda desordem
do fictício
 imaginário.

Povoam.
habitam e se vão
negligenciam  o vazio.
Missão a minha
entreter-me.

Não busco respostas
sou eu mesma
o foco.
Vidro quebrado
restos pra todo lado.

Singular
não da gramática
nem da metafísica.
Talvez um pouco
de crítica
disfarçada

no verso
escrito do
   meu reverso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário