17/11/2012



L a b u t a

                                             Marisa Pompermaier

Desperta o relógio,
quatro e meia da manhã,
hora de entrar em ação.

Novo dia,
ofício ganhar o pão.
Apressado,
lá vai o operário
continente
buscar o salário
no mesmo itinerário.

O sonho da casa própria,
carro popular,
filho prestando vestibular.
À família presentear
fim de semana
em Cidreira ou
Rainha do Mar.

...Tudo ficou para trás
o negócio é trabalhar,
hora extra, nem pensar.

Diretrizes do mercado
Corta o pão,
enxuga a máquina
fila dos desempregados.

A rotina incessante
classificados do ZH.
Lá fora eco gritante
batalhão e traficante.

É hora de levantar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário