07/09/2012

Palavras, causa e efeito

imagem: internet

                                                 marisa pompermaier

As palavras não mentem,
rasgam o que o coração sente.
Todavia, desagradam
impactam com a realidade.

E o poeta as tem
sem escolher hora ou momento
alegria  ou lamento,
réplicas do intento.

Voam sem direção,
porta-voz da própria ilusão.
Palavras de quase tudo,
palavras de quase nada.

Ladeadas de distâncias,
delatam dor, inconstância.
E o que fazer sem elas?

Contê-las ou reprimi-las,
se são libertação
ou profunda desilusão?

Precedem uma mudança,
culpa, paz, ressonância.
Brincam com a  alma da gente,
as palavras não mentem.

"É preferível perder-se com elas, a silenciar
eternamente e ser presente"

Nenhum comentário:

Postar um comentário