29/12/2012

A  Arte  de  Escrever

                         Marisa Pompermaier


Escrevo quando 
as palavras 
saem de mim
e precisam de 
um abrigo.

Escrevo em 
qualquer lugar
seja no computador
até nas folhas
amassadas de um jornal.

Escrevo sem precisar
programar,
arte de calar,
arte de cantar
arte de silenciar.

Juntam-se letras,
entoam-se palavras...
logo sai um verso
descomprometido
se for, ou não, lido.

Escrevo na pura
essência
do gosto,
da rima,
do desejo.

Escrevo e me retrato
querendo ou não,
sou substrato
daquilo que sou
daquilo que escrevo.

    (brincadeira gostosa,
     sou eu a poeta)

10/12/2012


coisas   do   tempo

                                             
marisa pompermaier


reflito
me perco 
em divagações,
em porquês, 
sem razão,
perguntas sem resposta
vida, 
uma aposta!

caminho,
corro, vôo.
eu e meus pensamentos
uma flor entre 
espinhos
um silêncio.

Já não sou 
mais a mesma
e nunca  serei 
aquilo que já fui.

o tempo me limita
me condiciona 
a olhar
essas coisas da vida.

aceitá-las
 simplesmente,
quando o desejo é
negação!

me ressinto,
e calo 
meus anseios
produzo 
uma autoimagem
que me protege
tal qual 
como um herege.

e o tempo anda,
não 
dentro de mim.
me perdi
 na própria angústia
de um passado
 presente
de um amor
 ausente.



09/12/2012


E por falar em vida...


Vida é dom recebido
é carinho recohecido.
vida é curtir a solidão
é amar, pedir perdão.



vida é um sopro de saudade
é sonhar sem medir idade.
é alavancar forças
em prol de uma causa.



vida é tentar ollhar-se
sem culpa, punição.
muitas vezes esquecer 
a razão...



vida é caminho,
vida não é destino.
pois nem tudo depende de nós
é preciso conviver com os "nós".



vida é enfrentar o espelho
aceitar a "curvinha' na face
é escrever no diário da mente
mais um dia, mais um ano...
sou feliz e ponto.


(Marisa Pompermaier)

07/12/2012

b i l h e t e


imagem:  internet

       marisa pompermaier


não dizia muito,
apenas-" até breve"
escrito com o vazio
de quem vai.
o bilhete sobre a mesa
com uma rosa 
vermelha.
fim do espetáculo,
início de uma 
nova cena.
sem corte,
nem censura.
a vida já havia
lhe mostrado.
reflexo de tudo
vazio do nada.
assim o destino
se fez.
toda polidez
naquele bilhete
do amor
que já fora.

03/12/2012








O POEMA
                                                       by Marisa Pompermaier

Foge do meu silêncio,
desarma a censura
corrói, me deleta,
o poema implaca.

                     se não falo em flor,
                     tampouco amor
                     poema também é dor...

                                          consomem-se palavras,
                                          alimento in natura,
                                          composição perfeita
                                          direita ou, esquerda,
                                           tanto faz.

Poema incompreeendido,
importa seja lido,
rasga as entranhas,
vem ao mundo.
Se faz valer
no seu absurdo.
        

27/11/2012


Abstrato de mim

 Marisa Pompermaier

Sou abstrato.
profundo e me delato
com as cores
me jogo.
Indefinição
é o que pareço.

Não ha preço
para delinear
minhas formas.

Já fui concreto,
hoje sou
subjetividade.

.Minha imagem,
se confunde com
o que sinto:

Mescla de sonhos
desfeitos
perdidos no
abstrato.

Sou dor,
imaginaçao.
Total confusão
entre o que fui
e o que sou.

Entre o que criei
e o que deixei
perder-se
na bruma do tempo.

Perecer
no abstrato,
contrato que fiz
entre o dualismo
contraditório.

Talvez seja
o novo caminho
dentre as escolhas,
a melhor.

que vesti
e assumi.

Substância inefável
norteia meus passos
para que eu possa
ainda, viver.


24/11/2012



t r a v e s s i a  ( 2 )

by  marisa pompermaier

Ao me propor andar,
deixo para trás
o que poderei encontrar.

Insípida passagem,
regada de mistérios,
presenças e ausências

Já não me basta ir.
antes que eu clamasse
hora de partir,

estavas tão longe.
tão longe do meu sentir
tão próximo do meu existir.

Decidi pegar carona
com silêncio da noite,
onde a nudez se rebela
e palavras constrõem


Se eu não chegar a tempo
marque forte meu lamento
de tanto te buscar
me perdi.

E, perdendo-me
a travessia se fez

17/11/2012



L a b u t a

                                             Marisa Pompermaier

Desperta o relógio,
quatro e meia da manhã,
hora de entrar em ação.

Novo dia,
ofício ganhar o pão.
Apressado,
lá vai o operário
continente
buscar o salário
no mesmo itinerário.

O sonho da casa própria,
carro popular,
filho prestando vestibular.
À família presentear
fim de semana
em Cidreira ou
Rainha do Mar.

...Tudo ficou para trás
o negócio é trabalhar,
hora extra, nem pensar.

Diretrizes do mercado
Corta o pão,
enxuga a máquina
fila dos desempregados.

A rotina incessante
classificados do ZH.
Lá fora eco gritante
batalhão e traficante.

É hora de levantar.


15/11/2012

   

r e p r i s e


                                                                                                      marisa pompemaier



se chego mansamente,
assusto .
se ouço, minuciosamente,
me calo,
além da conta.

se o ímpeto é falar,
compartilhar,
depois de muito tempo,
sou inoportuno.

se escrevo todas
as angústias que guardo
dentro de mim,
sou filósofo demais.

se pergunto -como foi 
seu dia?
sou literalmente vazia,
como todos  no mundo.

se me consomo no silêncio
quando o desejo é 
perguntar- 
por que
sempre é assim/?_
sou evasiva demais.

se me entristeço, na partida
sem ousar saber
se retornas,
é por que não me importo.

se contato demais,
é porque sufoco.

Então!
como será o amanhã?

A mim, só restam reprises
ao chegar e ao partir.
Contextualizar ,
dialogar o porquê
dessas reprises

perde-se no ar...
perde-se no tempo...
e, quem sabe,
poderá perder-se 
no pensamento...
      

14/11/2012


t r a v e s s i a



                                marisa pompermaier


em cada passo
alinhavo réplicas
que se multiplicam
formando saberes.

imagens, atitudes
palavras...
as quais perfilam
meu entorno
sem direito à defesa.

controvérsia,
não sou inércia
vou juntando
peças...

a bagagem repleta
me sinto incompleta
denuncio tanto peso
que o sistema
faz de lema.

impotente,
desembarco antes
de chegar na estação.
me liberto.

travessia mais leve,
esqueci do conflito.
recusei ao sistema,
fórmulas e teoremas.

sou feliz.
consigo escutar,
outra vez,
o barulho do vento
batendo na janela.

11/11/2012

e n t a r d e c e r


                                                                                              marisapompermaier
um pouco de sol se despede a tarde,
 jardim florido cactus, que lindo! 
perfil silencioso
o olhar me dele
 a ânsia abstrata do querer, sem pode
 antagonismo perfei
 de atitudes a lugares tua essência me traz.
 teorizando a vida,
 apaga a luz
 esquece a mágoa 
o silêncio conduz. 
extrato sublime o 
da ausência à presença,
 se faz existência pincela o amor.
 o tempo não pára, no rosto o descanso,
 pensamento já foi sem regras, 
absorto, eu fico, tu vais.
 anoiteço, amanheço, 
entardeço sozinha.
 conviver no antagonismo 
é um viver displicente. alimenta incertezas,
 finaliza minha calma, extrapola limites...
 anestesia meu amor.
 (amor que é "AMOR",existe por si só.
 Abranda, acalma.
 Sua música é profecia, eterna arte de amar.)

04/11/2012


S i n g u l a r

                                                  imagem: dreamstime

                                                    marisa pompermaier


Da rosa botão
quase murcha
enfeita o chão.
Por que não?

Dos passos mansos
do olhar vazio
imagens mil
eu crio.

Criações
de toda ordem
ocupam toda desordem
do fictício
 imaginário.

Povoam.
habitam e se vão
negligenciam  o vazio.
Missão a minha
entreter-me.

Não busco respostas
sou eu mesma
o foco.
Vidro quebrado
restos pra todo lado.

Singular
não da gramática
nem da metafísica.
Talvez um pouco
de crítica
disfarçada

no verso
escrito do
   meu reverso.

28/10/2012

do tamanho do mundo

                                           imagem:dreamstime

                                  marisa  pompermaier


                                                                                     fato,
                                                                       perfil sem retrato
                                                                   me retrato
                                                                do
                                                            fato.


                                                            imensurável
                                                               me absorve
                                                                     e envolve
                                                                                  se propaga.

                                                                                                       incolor,
                                                                                                              inodoro
                                                                                                                  invisível
                                                                                                                         queima como
                                                                                                              combustível.

                                                                                                     devolve,
                                                                                         abrupto gesto
                                                                                disparam fotos
                                                                            perdidas
                                                                       memória.

                                                             reflete
                                                        calor,
                                              a face inunda
                                   lágrimas guardadas.

                                                                        nenhuma
                                                                             palavra,
                                                                                trancou a voz
                                                                                        blecaute total
                                                                                               entre nós.

                                                            calada,
                                                  seco rosto.
                                      impossível drenar
                                   o fato.
                                          autor foi
                                                  fato ficou
                                                       do tamanho do mundo.

                                              (... ainda que eu tente,subtrair a dor, apagar tudo,
                                           permanecerá do tamanho do mundo.)

27/10/2012



                                                         s o n h o

                                                                                  marisa pompermaier


           embarquei
       na lua
       avistar-te
       eu queria.

                    com sorriso doce
                    começamos a viagem
                    sobrevoamos
                    o mundo.

                                            não consegui
                                            o mundo
                                            tão grande
                                            empecilho maior
fui na carona
da estrela
brilhante
novamente
não te encontrei.
                                          desisti de todas
                                          as buscas
                                          e na incerteza
                                          de não te encontrar
                                          virei cupido
hoje vago
dimensão
transcedental
te carrego
no sonho

hei de te reencontrar.

24/10/2012




"Quando vejo retratos,
quando sinto cheiros,
quando escuto uma voz,
quando me lembro do passado,
eu sinto saudades...

Sinto saudade de amigos
que nunca mais vi,
de pessoas com quem convivi,
e nunca mais as vi ou cruzei...

Sinto saudades dos que se foram  e
de quem não me despedi direito!
Daqueles que não tiveram
ou não souberam como
me dizer "adeus".

...Sinto saudades das coisas que vivi  e
das que deixei passar,
sem curtir na totalidade.

Quantas vezes tenho vontade de
encontrar não sei o quê...
não sei onde...
para resgatar alguma coisa
que nem sei o que é
e nem onde perdi... "

(autor anônimo)

21/10/2012




C i c l o s 


                                                                     marisa pompermaier


Evolução, define a vida
que carregamos.
E os ciclos se alternam
Infância, adolescência, maturidade
Não tem idade.

As passagens deixam marcas
do que fomos ou,
poderíamos ter sido.
Pouco importa,
Evoluímos!

Levamos na bagagem
sabedoria, bobagens...
Afinal, não somos perfeitos.
É de direito
errar, acertar, duvidar.

Escalamos degraus,
comparados às montanhas.
Incrível, contribuições
da façanha chamada
vida.

E assim, prosseguimos
Acreditando nos ciclos,
sonhos ou desenganos.
Bagagem completa.

Reelaborar planos,
Dar um basta às coisas
que nos anularam.
Para que não cometamos
os mesmos erros
de antes.

20/10/2012

Retrato de Mãe


 Retrato de Mãe

                          Marisa Pompermaier
                            
Dentro de ti mora um anjo.
Arquivo enorme onde salva
Compreensão, amor incondicional, 
renúncia, aceitação,
tolerância,  equilíbrio.

Mesmo que cale,
Ainda que o olhar fale
Ou que o mundo pareça
Desconectado
Teu coração alado,
Insiste na verdade.

Opõem-se à falsidade.
Não há gavetas
Para guardar mágoa.
Tudo é perdão,
Doação.

Mãe, mulher, profissional
Amiga, confidente,
conselheira.
Acolhe, tira o pó do  que
Polui  falsas imagens.

Abranda teu descontrole.
Filhos precisam de colo,
Precisam do olhar mudo
Dizendo ”eu te compreendo”.
Para que continuem a  ouvir
As cantigas de ninar
E adormeçam seguros.


  Mães são como anjos, que juntam as asas dos filhos para que continuem a voar e encontrem seu caminho